28827990_10204074896189436_4472903211991828524_o
29365748_10204074896909454_7300919755690608822_n
29343220_10204074900589546_8233989171995236292_n
29342577_10204074899229512_3501607803545169051_n
29064143_10204074904109634_7125866717542936310_o
29064130_10204074904229637_3488253936833099395_o
29060072_10204074906949705_8880043013567517450_o
28947371_10204074900429542_471779290941119208_o
28828662_10204074898469493_8913531215220623846_o
28827878_10204074906909704_1761058005765449116_o
28827589_10204074901669573_7975272786546949539_o
28827533_10204074902629597_7571218143157118348_o
28827518_10204074907029707_5573420383215484283_o
28827152_10204074897309464_4962788805487198266_o
28701044_10204074900549545_3187257326413899825_o
28698861_10204074908509744_1582957558518339515_o

Procissão dos Passos 

2º Domingo antes da Páscoa

A tradicional Procissão do Senhor dos Passos está a cargo da Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Varzim. A cerimónia é organizada em conjunto com a Câmara Municipal e a Confraria do Santíssimo Sacramento. A Procissão, que conta com um número elevado de figurantes, sai do Largo da Misericórdia, percorre várias artérias da cidade e termina na Igreja da Misericórdia. Com esta procissão, a Misericórdia procura consolidar a tradição, nomeadamente cumprindo as celebrações religiosas da Páscoa. Guimarães. Em 1220, “Sancto Michaele de Argivai” era local de hospedagem do mordomo do rei, onde recebia as rendas dos vinte e dois casais rústicos que o monarca possuía. A sede do julgado era no castelo de Faria, sendo Petrus Petri, o senhor dos direitos reais, que se supõe ter vivido em Amorim. Em 1209, D. Sancho I doou Vila do Conde a D. Maria de Pais Ribeiro, amante do rei, conhecida por “Ribeirinha”” (Borges, J. Monografia do Concelho da Póvoa de Varzim. Coleção “Na Linha do Horizonte – Biblioteca Poveira” nº 27. Município da Póvoa de Varzim, 2014. ISBN 978-972-9146-84-8)

Semana Santa

São muitas as manifestações que se desenrolam neste período, umas de carácter profano, como o «Serra-essa-Velha» ou a «Queima do Judas», outras de cunho marcadamente religioso, como a Procissão dos Passos, a Procissão e Bênção de Ramos e, na 6ª Feira Santa, à noite, a sumptuosa e impressionante Procissão do Enterro do Senhor

Bençãos ramos
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
image_preview
2
3
4

Peregrinação da Senhora da Saúde

Último domingo de maio

No último domingo de maio realiza-se a peregrinação arciprestal à Nossa Senhora da Saúde, organizada pela Confraria de Nossa Senhora da Saúde Paróquia de São Miguel de Laúndos, Paróquia de Nossa Senhora da Conceição (Matriz) e Arciprestado de Vila do Conde/Póvoa de Varzim. Milhares de pessoas fazem todos os anos o caminho desde a Igreja Matriz da Póvoa de Varzim até ao Santuário de Laúndos. Do programa consta a Eucaristia, na Igreja Matriz da Póvoa de Varzim, às 7h30, e no final da cerimónia, pelas 9h00, inicia-se o percurso a pé ao longo de 7 quilómetros que separam a Matriz da Póvoa do altar no terreiro do Santuário de Nossa Senhora da Saúde, numa procissão comandada pelo andor da devoção, carregado em ombros por pescadores. Às 11h00, realiza-se a Eucaristia Campal no recinto do Santuário de Nossa Senhora da Saúde. Da parte da tarde, às 16h00, tem lugar a recitação do terço, adoração e bênção do Santíssimo Sacramento e cerimónia do adeus.Entre diversos motivos que ajudam a viver este dia de uma forma ainda mais intensa, destacam-se os sempre belos tapetes de flores dentro do Santuário, reconhecida obra de arte, e fora do mesmo junto ao altar da celebração.

Corpo de Deus - Procissão do Corpo de Deus

Datada de 1544 na Póvoa de Varzim, aquando da autorização da manutenção da Sagrada Custódia na capela de Madre Deus, o Corpo de Deus é uma festa móvel da Igreja Católica que celebra a presença real e substancial de Cristo na Eucaristia. A origem da Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo remonta ao séc. XIII, altura em que a Santa Igreja sentiu necessidade de realçar a presença real do “Cristo todo” no pão consagrado. É no 1º ou 2º domingo de junho que se realiza a Procissão do Corpo de Deus: ao longo do percurso a Procissão vai calcorreando ruas ricamente decoradas de tapetes floridos.

33988234_10204303086454050_4172955066191314944_o
34193129_10204303088814109_4704858298757677056_o
34146437_10204303107574578_7939117463197712384_o
34119759_10204303126095041_5535465292601229312_o
34117955_10204303086534052_4507508253768286208_o
34117263_10204303089854135_8948453439390613504_o
34103783_10204303137535327_571618614763847680_o
34103783_10204303137535327_571618614763847680_o
34095127_10204303107014564_6354612742468403200_n
34095117_10204303100814409_180812595538690048_o
34089935_10204303098774358_5578023161464619008_o
34067481_10204303098054340_6428725980868640768_o
34065402_10204303088494101_4392019306188111872_o
34051808_10204303099254370_6428096226993897472_o
34047301_10204303094614254_1725776210958483456_o
34019782_10204303090094141_2990056446500012032_o
33995666_10204303093254220_2624440891502231552_o
33992879_10204303090934162_557903753395568640_o
33988260_10204303098614354_7709406785253146624_o
33943515_10204303095214269_7582806009953910784_o
1
4
3
2

Festas de Santo António no Bairro da Matriz

12 de junho

Por coincidir com a data da sua fundação, o grupo folclórico Rancho das Tricanas do Cidral, tem por hábito festejar a efeméride com uma pequena festa noturna no Largo do Cidral, em pleno bairro histórico da Matriz. Há tradicionalmente a actuação do rancho a que se segue o conite a que os populares se juntem à festa com danças tradicionais da Póvoa e da Matriz.

Dia da Cidade

16 de junho

O dia em se celebra a elevação a cidade. Pelo decreto-lei 310/73, de 16 de junho de 1973, a Póvoa de Varzim ganhou o estatuto de cidade. O ato administrativo seguiu-se à aprovação da Junta Distrital e do governador Civil do Porto e tem as assinaturas do presidente do Conselho, Marcelo Caetano, do ministro do Interior, António Rapazote e do Presidente da República, Américo Tomaz. Neste dia, é realizada uma cerimónia onde a Câmara Municipal homenageia algumas individualidades pelo seu contributo à Cidade. Uma forma de reconhecer o valor e contributo da sociedade civil para o Concelho. Ao longo dos anos o dia tem também sido aproveitado para actos simbólicos como a inauguração da Galeria dos Antigos Presidentes de Câmara.

Dia da Cidade
image_preview
070
36573805_10204404050218081_2215708868489510912_o
36570779_10204404038337784_5377862047495094272_n
36550964_10204404064458437_2346719385495797760_n
36548996_10204404037617766_304257304314773504_n
36538064_10204404056818246_298764831417171968_o
36518471_10204404055858222_6249506259851018240_n
36520839_10204404043337909_5036999930917421056_n
36498316_10204404058018276_7667337477509611520_o
36496055_10204404036697743_1132052267105517568_n
36481482_10204404037697768_962569370091913216_n
36478597_10204399197736772_5073468506817691648_o
36475455_10204404052258132_7358593079126786048_o
36466983_10204404064298433_8356989464379129856_n
36465735_10204404064378435_4255375720529788928_n
36462456_10204399244217934_5304484588532269056_o
36461906_10204404032297633_5448469067868405760_o
36453789_10204404049138054_432500981914140672_o
36446299_10204404058778295_7689644455313276928_o
36437213_10204399176576243_5089833453201915904_o
36434281_10204399215537217_3513690956488507392_o
36430375_10204404040937849_5313995982587822080_n
36417401_10204399180856350_6310789391556018176_o
36417392_10204399202696896_6395479510908665856_o
36389755_10204399202256885_7516640681549365248_o
36387660_10204399190536592_370219751349157888_o
36387189_10204399213577168_1223217835635900416_o
36379585_10204399204296936_7760843880525725696_o
36378304_10204399161895876_7464680132842618880_o
36364099_10204399204736947_7476569993887350784_o

Festa de S. Pedro

De 25 de junho a 07 de julho

As festividades de S. Pedro, adotadas como «Festas da Cidade», correspondem a uma semana de espetacular animação, em que toda a Póvoa sai para a rua. O momento por excelência é o da «noitada» de 28 para 29 de junho, em que se canta, dança e comem sardinhas assadas à volta das fogueiras, num ambiente onde, rapidamente, se passa do estatuto de desconhecido a conviva cúmplice nos folguedos da noite. Os protagonistas da festa são os vários bairros da cidade que, coordenados pela Câmara Municipal, preparam os tronos e as atuações das rusgas, e onde se pode sentir a alma destas celebrações de raiz genuinamente popular.

Procissão de S. Pedro

29 de junho

“A procissão dos Santos Populares (Santo António, S. João e S. Pedro) iniciou-se aí por 1961 [1962] e tem saído com regularidade no dia de S. Pedro, 29 de junho, que é o dia de Feriado Municipal da Póvoa. Substitui as procissões de Santo António e S. João.” (0 Cf. COSTA, J. Martins da - As Procissões... Ob. cit.,1979, p. 173)

“Em 25 de Junho de 1950 já se referenciam com destaque as procissões de S. António e S. Pedro, conjugando as duas e destacando já a figura do S. Pedro Pescador. A partir de 1962, articulam-se as devoções dos três santos populares num só cortejo e festividade. A Procissão de S. Pedro e dos Santos Populares partiu de uma ideia do Major Mota de iniciar um pouco mais cedo a estação balnear e criar um feriado municipal exclusivo para a Póvoa. Como S. António e S. João eram já festejados em todas as vilas e cidades em redor (Vila do Conde, Porto, Braga), resolveram seleccionar como santo do concelho S. Pedro pescador e incentivar as festividades em 29 de Junho, apoiando rusgas, o arraial, noitada, mas também a procissão, a que a Câmara se vai associar. Esta inicia-se na Igreja matriz e termina na Igreja da Lapa, passando, assim, em frente ao mar, como já acontecia com a Procissão de N.ª S.ª da Assunção, que era em períodos anteriores considerada a grande festividade da povoação. A ideia que partiu da década de 50 só se realizou em 1962, mas, a partir daí, colheu total aceitação por parte da população e turistas. S. Pedro Gonçalves Telmo - o santo dominicano, medieval, protector das tempestades, invocado como protector dos mareantes de Portugal e Espanha no período das descobertas, cujas relíquias se veneram na catedral de Tui - era o S. Pedro a que recorriam os pescadores da Póvoa. Na antiga matriz, depois igreja da Misericórdia, conservou-se a bela escultura em calcário do século XV (?) e, até inícios do século XX, os pescadores e pescadeiras iam acender velas e lamparinas junto da imagem antiga para pedir a protecção na altura das tempestades e quando era lançada uma nova lancha ao mar. Foi por isso fácil a aceitação do novo S. Pedro, o qual, em vez de apresentar uma embarcação aos pés, sai nas procissões num barco, na atitude de atirar as redes ao mar.” (Carneiro, D.M.V. (2006). As Procissões na Póvoa de Varzim (1900 – 1950). Imaginário Religioso e Piedade colectiva. Dissertação de Mestrado em Estudos Locais e Regionais. Faculdade de Letras – Universidade do Porto, Porto. pp. 93 – 94)

17
5
15
14
4
13
12
11
10
9
8
7
6
3
2
1
7777
16
1
3
2
6
7
dfdfsd
20900538_10203327870314256_8117432894922605209_o
20863444_10203327861754042_8751682998122227427_o
20861685_10203327871154277_4491217058198056161_o
20861582_10203327842953572_8843886346572779455_o
20819378_10203327872514311_8344991460686837068_o
20819287_10203327855753892_2545484508991018512_o
20819287_10203327855753892_2545484508991018512_o (1)
20819034_10203327860394008_4583201389965931555_o
20818917_10203327877474435_419906361248366533_o
20785654_10203327863834094_1894918995639153302_o
20776573_10203327863354082_4528508220642724363_o
20776569_10203327865114126_5626000909896346035_o

Festa de Nossa Senhora da Assunção

15 de agosto

No dia 15 de agosto, a Virgem é venerada com toda a pompa e circunstância. É tão grande o culto que o poveiro dedica à sua Augusta Padroeira que quis, desde sempre, mostrar esse profundo sentimento religioso. Uma das tradicionais formas de o fazer é o colocar no cimo dos mastros dos seus barcos os melhores lenços da sua mulher, filhas ou noiva, como homenagem à Senhora que vai passar a abençoá-los. Era assim noutros tempos e é ainda hoje, apesar da classe piscatória se encontrar altamente reduzida pela emigração. O momento mais alto dos festejos corresponde à grandiosa procissão que conhece o auge quando, frente ao porto de pesca, os andores são voltados para o mar e milhares de foguetes lançados dos barcos engalanados rebentam num estalejar ruidoso.

Festa de Nossa Senhora das Dores

De 08 a 17 de setembro

A procissão de Nossa Senhora das Dores começou por se realizar no quarto domingo de agosto para se fixar desde o início do século passado no terceiro domingo de setembro. Milhares de penitentes, de todas as idades e categorias sociais, incorporam-se todos os anos no cortejo religioso, na maioria descalços e com velas do seu tamanho na mão ou representativas da parte do corpo onde se pretende que ocorra a cura. Decorre em meados de setembro esta festividade com tradições seculares onde, para além dos tradicionais festejos com espetáculos de variedades, fogo preso e grandiosa procissão, ressalta a típica e muito concorrida feira da louça (2.ª e 3.ª semanas de setembro)

6
7
8
5
ecfa3e54a83a5f4cb280c8d922d9aaa9
image_large
3
1

Festa de Nossa Senhora do Rosário

13 de outubro

A Festa de Nossa Senhora do Rosário realiza-se no dia 8 de outubro, na Matriz. O ponto alto é às 16h com a Majestosa Procissão, com mais de 300 anos de tradição. A Procissão de N.ª S.ª do Rosário, organizada pela Confraria da mesma invocação, teve como primeira imagem a gótica Nossa Senhora de Varzim. O seu retábulo, na igreja matriz, é dos mais

Festa de Nossa Senhora da Conceição do Castelo

08 de dezembro

A festividade de Nossa Senhora da Conceição, apesar de ser o orago da paróquia, é tradicionalmente celebrada com arraial e procissão de velas, na véspera, e com romaria (com doces tradicionais, danças, pau ensebado, etc.) no dia, na capela de N.ª S.ª da Conceição do Castelo / Fortaleza da Póvoa de Varzim.

IMG_1588
1
maxresdefault
image_preview
en_USEnglish
en_USEnglish